Dra Julia Broetto, Cirurgião Plástico em Chapecó, Av. Getúlio Dorneles Vargas, 283 - Centro, Chapecó/SC - Fone: (49) 3025-3108
Novidades
Capa >> Minimamente Invasivos >> Microagulhamento: para que serve?

Microagulhamento: para que serve?

Entre os mais novos métodos de tratamento para rejuvenescimento da pele está o Microagulhamento ou Dermaroller, procedimento estético que oferece a oportunidade de melhorar a aparência envelhecida por meio da redução de rugas, combate à flacidez facial, melhora da textura e aumento da luminosidade.

A técnica consiste em produzir furos minúsculos na pele com o objetivo de estimular os fibroblastos, as células responsáveis pela produção de colágeno, para restaurar a pele que foi danificada.botox-300x279

As principais indicações do Microagulhamento são fotoenvelhecimento (resurfacing), cicatrizes de acne, de queimadura ou cirúrgicas. A técnica pode ser indicada também no tratamento de estrias, melasma, melhora da textura da pele (poros dilatados) e para auxiliar na deposição de substâncias terapêuticas nas camadas mais profundas da pele (drug delivery).

Os princípios básicos de ação do Microagulhamento são o estímulo da regeneração celular por meio do processo de cicatrização, a proliferação de células-tronco e estímulo da síntese de elastina, da neocolagênese (produção de colágeno) e angiogênese (proliferação de vasos sanquíneos).

O microagulhamento é um sistema de rolamento que contém inúmeras microagulhas que geram centenas de microlesões na pele. Esta ação desencadeia mediadores químicos que estimulam os fibroblastos a produzirem mais colágeno e elastina para restaurar a pele danificada. Com este aumento na produção dessas substâncias, toda a pele é reestruturada e beneficiada com a reorganização das fibras internas, o que leva à diminuição das rugas, das cicatrizes de acne, resultando em uma pele mais firme e com mais viço.

A principal diferença deste procedimento com o laser, que também é utilizado para rejuvenescimento é a forma de ação, no microagulhamento a ação é mecânica, enquanto que o laser, tem ação térmica.
É bom lembrar que os dispositivos utilizados no microagulhamento não são reutilizáveis, nem no mesmo paciente, e tampouco podem ser reesterilizados, uma vez que o calor destrói a ponta afiada das agulhas.

Os resultados são percebidos após dois a três meses, uma vez que o ‘amadurecimento’ do novo colágeno é um processo lento. Espera-se melhora de 70% a 80% após duas a quatro sessões. É recomendável intervalo de seis a oito semanas entre elas, quando se observam os resultados. Porém, se não houver melhora significativa após a quinta sessão, deve-se considerar outros tratamento.

Como todo procedimento estético disponível no mercado, o microagulhamento também possui restrições sobre quem pode realizar o método. O tratamento não deve ser feito em áreas do corpo com infecções e em pacientes com tendência à formação de queloide. Por isso, o procedimento deve ser feito no consultório médico, para que o cirurgião plástico ou dermatologista possa avaliar as condições clínicas do paciente, e indicar a melhor técnica para atender as suas necessidades.

Fonte: www.sbcd.org.br

Dra Julia Broetto

CRM/SC 20440

RQE 11729

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


4 − = um

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Dra Julia Broetto, Cirurgião Plástico em Chapecó, Av. Getúlio Dorneles Vargas, 283 - Centro, Chapecó/SC - Fone: (49) 3025-3108